Bem-vindo/a a Cabeceiras de Basto

Conteúdo

Parque Urbano abriu ao público

26 de setembro de 2013
Com cerca de 2 hectares de área, o Parque Urbano da vila de Cabeceiras de Basto está, desde o início da semana, aberto ao público.
Espaços verdes, um parque infantil, um anfiteatro, pontes e percursos pedonais, bem como uma passagem subterrânea na Av. Francisco Sá Carneiro são as valências que este parque verde, implantado em pleno coração da vila, oferece aos cabeceirenses e a quem nos visita.
Refira-se que este projeto incluiu também a reabilitação das margens da Ribeira de Penoutas e a iluminação dos espaços públicos intervencionados.
O Parque Urbano é uma das medidas do Programa de Ação do Centro Verde – Regeneração Urbana, cuja candidatura global ultrapassa os 2,6 milhões de euros. Trata-se de um projeto ambicioso que promoveu a valorização da zona adjacente ao Mosteiro de S. Miguel de Refojos, ligando a centenária Praça da República a novas zonas urbanas, e a recuperação das antigas casas dos caseiros da Quinta do Mosteiro, hoje Casa do Tempo.
O projeto, que teve em conta a riqueza patrimonial, a identidade e a matriz rural que caracteriza o concelho de Cabeceiras de Basto, contribuirá seguramente para salvaguardar o património local e para dar a conhecer o dinamismo desta terra e das suas gentes, ao mesmo tempo que cria espaços de fruição pública, mais aprazíveis e esteticamente tratados.
O Parque Urbano foi inaugurado no dia 20 de setembro pelos presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal, Eng. Joaquim Barreto e Dr. China Pereira, uma iniciativa à qual se associaram a vice-presidente da autarquia Margarida Coutinho e demais autarcas, técnicos do Município, a administração da empresa construtora e população em geral.
Na oportunidade, Joaquim Barreto realçou a importância desta obra para o concelho de Cabeceiras de Basto e para a freguesia de Refojos, dando conta dos trabalhos realizados ao longo dos últimos meses.
O edil sublinhou que para além da intervenção física, o projeto teve em consideração a qualificação ambiental e a vertente humana, proporcionando “um equilíbrio entre a área construída, a área verde e a área de lazer”, sem esquecer o fator água, considerado pelo autarca “uma riqueza”.
Com a abertura do Parque Urbano “abrimos um novo horizonte, um novo espaço na vila de Cabeceiras de Basto, entrando em áreas que estavam encobertas e que, a partir de hoje, estarão abertas ao público. Uma obra da qual nos devemos todos orgulhar”, afirmou Joaquim Barreto.
Lamentando que “a urbanização da Quinta do Mosteiro não tem sido um processo fácil”, pois “nem sempre nós encontramos a compreensão e a colaboração que é necessária”, o autarca relembrou que em 1994, quando assumiu a Câmara Municipal, foi mandado elaborar um plano de pormenor da Quinta do Mosteiro, plano esse que, entre outros, definia as áreas de construção e as áreas verdes.
E porque este “é o coração da vila de Cabeceiras de Basto”, Barreto lançou o desafio: “os autarcas devem ter em conta que esta é uma zona sensível e portanto os poderes públicos devem ser firmes na defesa do interesse público”.
Agradecendo a todos aqueles que colaboraram na realização desta obra, Joaquim Barreto desejou “que todos saibam usufruir do espaço, que o preservem e o cuidem como se fosse seu e que sejam felizes”.
Nas suas palavras, o presidente da Assembleia Municipal, Dr. China Pereira, considerou que com a abertura do Parque Urbano, “a vila de Cabeceiras de Basto fica mais rica e mais bonita”.
Referindo-se à recente inaugurada Casa do Tempo e à criação do Parque Urbano, China Pereira salientou: “são equipamentos que fazem a diferença e que trazem qualidade de vida aos cabeceirenses”. E prosseguiu: “nós hoje podemos vir desde a Praça da República até à Praça do Mercado utilizando percursos pedonais e usufruindo do espaço, do ar puro e de uma Ribeira que corre junto aos nossos pés”.
Por fim, desejou que “todos os cabeceirenses usufruam deste espaço, o aproveitem e que sejam felizes aqui”.

Adicionar comentário

Scroll