Bem-vindo/a a Cabeceiras de Basto

Conteúdo

Especialista foi o convidado da conferência sobre o Orçamento de Estado

“Estamos perante o maior aumento fiscal da história da democracia portuguesa” disse Domingues Azevedo

18 de fevereiro de 2013
Especialista Domingues Azevedo foi o convidado da conferência sobre o Orçamento de Estado
“Estamos perante o maior aumento fiscal da história da democracia portuguesa”. Esta foi a certeza deixada pelo especialista Dr. Domingues de Azevedo durante a conferência dedicada ao tema ‘Orçamento de Estado para 2013 e o aumento de impostos’ em Cabeceiras de Basto, uma sessão que decorreu no passado dia 15 de fevereiro, no Auditório Municipal Ilídio dos Santos.
No evento marcaram presença os presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal, Engº Joaquim Barreto e Dr. China Pereira, os vereadores Dr. Domingos Machado, Francisco Pereira e Margarida Coutinho, os presidentes das Juntas de Freguesia, as administradoras da Emunibasto Prof. Stela Monteiro e Dra. Fátima Oliveira, a diretora da Régie Cooperativa Basto Vida, Dra. Catarina Ramos, assim como membros da Assembleia Municipal, entre outros convidados e público em geral.

Promovida pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto a iniciativa teve como orador convidado o Bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, professor especialista Dr. Domingues de Azevedo, que falou à numerosa plateia sobre as grandes linhas orientadora do Orçamento do Estado para 2013, assim como dos efeitos do Orçamento na vida dos cidadãos.

Coube ao presidente da Câmara Municipal apresentar o orador e dar as boas-vindas a todos os presentes. Joaquim Barreto começou por evidenciar os aspetos mais relevantes da carreira profissional de Domingues de Azevedo, pessoa que caracterizou como “homem simples, sem vaidades e com uma grande naturalidade e eficácia. Um homem desprendido e que procura valorizar a classe. Um homem sem complexos políticos”.

Contabilista de profissão, Domingues de Azevedo tem publicados diversos pareceres sobre fiscalidade, acumulando uma vasta experiência nesta área, experiência essa que partilhou na passada sexta-feira com técnicos, autarcas e população em geral.

Na sua intervenção, o professor especialista salientou que “o tema fiscal é cada vez mais permanente na vida das pessoas porque afeta o seu orçamento e a sua qualidade de vida”.

Depois de abordar as grandes linhas orientadoras do Orçamento para 2013, as questões relacionadas com a taxa extraordinária, com as alterações ao IVA e com a exigência de fatura, Domingues de Azevedo falou da urgência do “reequilíbrio das contas públicas” que, na sua opinião está, neste momento, a ser “mal conduzido e mal estruturado”, uma situação que “não tem tanto a ver com a Troika mas mais com orientações políticas”.

Desafiando a plateia a fazer um exercício para saberem quanto vão pagar de IRS no final do ano, o especialista garantiu: “não vai haver um reenquadramento de IRS mas um aumento de IRS”. E lamentou: “estamos a regredir no sistema fiscal de uma forma muito acentuada”.

Considerando “insensato concluir em 3 anos o que levou 40 anos a construir”, o professor especialista afirmou: “não se pode obrigar as pessoas a pagar aquilo que não podem pagar”.

No final, Domingues de Azevedo concluiu que “falta uma estratégia na condução da política económica” em Portugal e que existe uma “excessiva subordinação aos métodos e orientações da Troika”. Para o especialista em fiscalidade, é necessária a “implementação de um calendário político para as tomadas de posições” pois “gerir a crise sem ideias nem soluções é gerar novas crises”.

No encerramento da sessão, o presidente da Assembleia Municipal, Dr. China Pereira, agradeceu a presença de todos, elogiando a “excelente intervenção” do orador convidado.
 

Adicionar comentário

Scroll