Bem-vindo/a a Cabeceiras de Basto

Conteúdo

Gondiães

Vista panorâmica de Gondiães
Vista panorâmica de Gondiães
Situada na extremidade Nordestina do concelho de Cabeceiras de Basto, Gondiães confronta com três concelhos, Montalegre, Boticas e Ribeira de Pena. Apesar de consideravelmente extensa esta antiga freguesia é pouco populosa. O seu relevo é levemente ondulado e é caracterizado a leste pela bacia orográfica do Rio Bessa. É uma terra fértil e abundante em caça e floresta.

A Festa das Papas decorre alternadamente no Lugar do Samão e Gondiães, a 20 de Janeiro. No dia de festa comem-se as papas, a broa, o toucinho e bebe-se o vinho. Tudo preparado pelos habitantes durante uma semana, para no dia da festa ser benzido. Algumas pessoas levam consigo parte da broa que guardam durante algum tempo por causa da “mezinha” que acreditam existir no pão benzido.

Do património edificado, destaca-se a modesta igreja de S. Martinho de Gondiães e a capela de N. Senhora dos Remédios, o matadouro da Picota e a ponte de arame sobre o rio Beça.

A agricultura e a floresta são as principais atividades económicas. No artesanato destacam-se as meias de lã.
 

Vilar de Cunhas

Vista da aldeia da Uz
Vista da aldeia da Uz
Outrora chamada de Vila Seca, Vilar de Cunhas compreende as aldeias de Vilar, Cunhas e Uz. De território considerado extenso mas escassamente povoado, situa-se na parte Nordeste do concelho, estremando com os Municípios vizinhos de Montalegre e Ribeira de Pena e as congéneres de Riodouro, Cavez e antiga freguesia de Gondiães.

Dominada por um clima inóspito, esta antiga freguesia apresenta uma área de planalto e outra de montanha, que permite a permanência da agricultura e da pastorícia, desde há milhares de anos, como sustentáculo económico local, preservando interessantes usos e técnicas de raro saber etnográfico. Vilar de Cunhas detém um riquíssimo património natural e paisagístico acrescido de enorme potencial nas áreas cinegética e piscatória. A pecuária quando direcionada para a produção de carne associa-se à atividade agrícola.

Do património cultural e edificado destaca-se a modesta Igreja Matriz e a Casa de Chouzas, edifício solarengo, talvez oitocentista que inclui três interessantes espigueiros daquela centúria. Das festas e romarias destaca-se a de S. Lourenço e do Espírito Santo.

As meias de lã e as rendas são o artesanato característico desta localidade.
Scroll