Bem-vindo/a a Cabeceiras de Basto

Conteúdo

Encontro das Comunidades encerrou com teatro e música popular

12 de agosto de 2013
Milhares de pessoas passaram durante o fim de semana, pela Praça da República, para participar e/ou assistir às diversas atividades que integraram o programa festivo do Encontro das Comunidades que decorre em Cabeceiras de Basto, desde sexta-feira e encerra hoje, dia 11 de agosto.
A atuação do Rancho Folclórico Estrela Dourada de Estrasburgo e a atuação dos artistas Jorge Loureiro e Natividade, deram por encerrada mais uma edição do Encontro das Comunidades, cuja realização teve como um dos principais objetivos divulgar os usos e costumes da região, proporcionando à população, especialmente aos emigrantes, um contato com as suas raízes e com os produtos locais.

Um dos momentos altos desta iniciativa foi a apresentação do espetáculo de teatro ‘Olhar fraterno’, um tributo a Zeca Afonso protagonizado pelo Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto que atraiu ontem à noite, a este centro histórico, centenas de pessoas. Um espetáculo teatral, que integrou dezenas de artistas cabeceirenses, jovens e menos jovens, que deram corpo a uma magnífica produção intergeracional.

Tratou-se de uma peça de autoria de Armando Luís e Roberto Moreira, que nos remete para “um período muito importante da nossa história, mais concretamente na época de 1933 a 1974 em que Portugal viveu em ditadura, a ditadura Salazarista”. O espetáculo pretendeu assim, “dar a conhecer a vida, os amores, os desamores, a luta, o labirinto de emoções e sensações que o enorme Zeca Afonso viveu”. A peça é por isso, ‘revolta, é medo, é conflito e é, por fim, um renascer e um mudar de pensamento’.

De referir que o “Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto é uma marca cultural que aposta no desenvolvimento de um projeto de produção artística vocacionado para as artes de intervenção sóciocutural”. Aqui trabalham-se “as memórias, as tradições e o património material e imaterial enquanto fontes de pesquisa e ferramentas para a preservação e revitalização da identidade da região de Basto”. Uma aposta na “formação artística em contexto de aprendizagem não formal nas áreas da interpretação e iniciação teatral para as crianças”, envolvendo os cabeceirenses e proporcionando-lhes espaços de formação e cultura que contribuem para a ocupação salutar dos tempos livres dos ‘alunos’ e para gáudio dos pais, autarcas e população em geral, que assim participam e assistem a momentos culturais diferenciadores, de grande qualidade e beleza. Uma aposta na cultura feita pela Cãmara Municipal, que Roberto Moreira do CTCMCB não quis deixar de agradecer publicamente uma vez que esta permite agregar a comunidade num projeto inclusivo e distinto no campo das artes e da cultura.

A noite prosseguiu com uma animada vacada que atraiu ao Parque do Mosteiro centenas de pessoas para assistir a momentos hilariantes bem do agrado popular. Também o Festival da Juventude, que decorreu na Piscina Descoberta de Refojos, registou grande adesão de jovens e prolongou-se noite dentro.
O Encontro das Comunidades, que hoje chega ao fim, proporcionou ao longo de três dias, um programa muito rico e variado que atraiu públicos de diferentes faixas etárias.

Teatro, exposição, garraida, folclore, zés pereiras, concertinas, jogos sem fronteiras e a Festa da Juventude completaram o programa, ao qual se associaram 35 expositores de produtos hortícolas, fumeiro, vinhos, mel, licores, doces, broa, azeite, entre outros, e também alguns artesãos da terra e da região. Representados estiveram também, os Municípios de Neuville-sur-Saône – Lyon, França e Lalin- Galiza, Espanha, com quem Cabeceiras de Basto se encontra geminado. Também a Associação Rosas da Primavera, de Rives- Grenoble, França, marcou presença neste evento.
Com esta iniciativa, o Município de Cabeceiras de Basto pretendeu assim, uma vez mais, promover os produtos da região e o turismo; valorizar o património cultural, a história e a etnografia do concelho; evidenciar a especificidade da nossa vivência comunitária; divulgar os usos e costumes da região, assim como promover o desenvolvimento local e regional.

Adicionar comentário

Scroll