Lavoura Tradicional mobilizou cabeceirenses

Iniciativa assinalou igualmente o Dia do Trabalhador

2011-05-03
Lavoura Tradicional
Centenas de pessoas deslocaram-se ontem, dia 30 de Abril, à Quinta Pedagógica, localizada na freguesia do Arco de Baúlhe, para participar na recriação de uma Lavoura Tradicional. Pelo quarto ano consecutivo, oriundos de várias freguesias do concelho e sob um tempo chuvoso, foram muitos, aqueles que trabalharam a terra e muitos os que assistiram a esta lavra à moda antiga, onde várias juntas de gado maronês e barrosão, puxaram arados e grades, desbravando a terra e criando condições para o cultivo do milho.
Uma prática de amanho outrora muito usual nesta terra minhota, mas que o tempo foi substituindo por tractores e alfaias mais modernas, recorrendo por isso, a menos gente e mais mecanismos.

Sendo antes o sector mais abrangente deste concelho, a agricultura foi cedendo lugar aos sectores secundário e terciário, que actualmente ocupam grande parte da população cabeceirense.

Recordações para uns, prática diária para outros e novos conhecimentos para a maioria, assim se traduz esta jornada levada a cabo pela Câmara Municipal e pela Emunibasto e Basto Vida com o apoio de várias Juntas de Freguesia locais.

A Lavoura começou cedo, com a junção das pessoas no Campo do Seco, de onde partiram para a Quinta, onde munidos de alfaias agrícolas diversas, homens e mulheres deram início aos trabalhos que começaram com o espalhar do estrume, seguindo-se o lavrar da terra, a passagem da grade e finalmente a sementeira do milho. Tarefas efectuadas enquanto se entoavam “modas” de outrora cantadas ao longo da manhã. A merenda e o almoço também obedeceram aos costumes de antigamente.

Começou com o “mata-bicho”, ou seja aguardente e broa. A meio da manhã, os “agricultores” degustaram o pequeno-almoço, composto por pataniscas, broa e azeitonas. Uma vez terminados os trabalhos foi servido, em pleno campo, um repasto a todos os participantes. A música também marcou presença, ao som das concertinas e das melodias populares, mas também do Grupo de Cavaquinhos da Raposeira que ali se deslocou para animar a jornada.

O Presidente da Câmara Municipal, Engº Joaquim Barreto, registou com agrado a adesão da população a este tipo de iniciativas, o que siginifica a sua ligação à terra e aos usos e costumes ainda muito enraizados, dando corpo a manifestações espontâneas de alegria, de convívio e de confraternização intergeracional. A Lavoura Tradicional, reuniu dezenas de pessoas, equipadas para trabalhar, conviver e proporcionar aos participantes e ao público assistente, quadros etnográficos e rurais de grande significado e beleza.

Finda a sementeira, o milho será doravante regado, sachado e tratado, para que em Setembro, época de colheitas e aquando das Festas de S. Miguel, seja desfolhado à moda do Minho, numa jornada que registará certamente forte adesão popular.

Esta iniciativa, assinalou igualmente o Dia do Trabalhador, que foi antecipado em virtude de ainda decorrem no concelho, em algumas freguesias festividades Pascais.

Adicionar comentário

Canal Youtube de Cabeceiras de Basto Cabeceiras de Basto no Facebook RSS eventos RSS Notícias